Ampliando a sua visão sustentável

29 05 2009

Olá pessoal, tudo jóia?

Aproveitando que iniciamos a semana falando de sustentabilidade na comunicação, fui pesquisar a respeito do assunto também na área de business e carreira. Exemplos de empresas que se voltam (ou que estão se voltando) para este assunto estão crescendo progressivamente, pois o que era anteriormente um diferencial, agora ela se tornou essencial.

E não estamos falando Apenas no quesito “verde”, ecológico da coisa… Sustentabilidade vai muito além disso.

Atualmente criou-se um tripé base para que uma empresa, pessoas e projetos possa se denominar sustentável, também chamado de triple bottom linepeople, planet and profit (pessoas, planeta e lucro – em português), ou para ser mais claro, como está a atuação da empresa/projeto/pessoa em termos sociais, ambientais e econômicos. E justamente por ser um assunto complexo e vasto, busquei exemplos de empresas/projetos que  possibilitam visualizar de maneiras diferentes este tripé.

O primeiro projeto que me chamou muita a atenção respeito chama-se Coletivu – é uma rede social cujo objetivo é criar e organizar caronas. Simples assim.

Assim como em outros projetos e em outras empresas, o tripé se apresenta interrelacionados e interdependentes, pois através das pessoas, o Coletivu cria os grupos de interesse (trabalho, eventos, viagens) onde encontramos outras pessoas  que fazem (ou irão fazer) o mesmo percurso que você e estão com o carro vazio.

Através dessa rede social de carona, temos aquela famosa equação em prol docoletivu planeta: menos carro nas ruas = menos uso de combustível = menos poluição = maior cuidado com o meio ambiente, e também o fato de ser algo puramente online  que economiza toda aquela “mão de obra” de processos e materiais para organizar este objetivo. O lucro – que é algo fundamental para qualquer empresa/projeto Literalmente se sustentar – vem das parcerias com empresas e também com o custo que é cobrado para grupos acima de 50 pessoas. Apesar da idéia não estar muito difundida no Brasil, em outros países este sistema já funciona.

Atrelado a este tripé, temos um outro trio de desafios que segundo especialistas, se torna essencial para que a sustentabilidade se torne a diferença numa empresa. São eles:

– Engajar os stakeholders
– Transformar em valor agregado
– Buscar isso na cadeia produtiva em que você está inserido

Para entender estes desafios e seu uso na prática, apresento-lhes o case mais clássico: Banco Real.

Da mesma forma que ocorre no outro tripé, neste também temos os itens se co-relacionando, pois é através do engajamento dos stakeholders (que são todos os públicos envolvidos e afetados pela empresa) – que o Banco Real (por exemplo) pode solicitar e até exigir critérios sustentáveis nas suas parcerias e nas suas relações B2B (business – to – business) dentro da sua cadeia produtiva (vide imagem abaixo).  E disso, o Banco é bem conhecido – se existe algum membro da cadeia produtiva que não pratica a sustentabilidade de forma criteriosa, tem grandes possibilidade de não ter o banco como cliente/parceiro.

Relação sustentavel Banco Real

O último desafio vem como consequência da atuação eficaz dos outros desafios, e comprova que esta co-relaçãoexiste e precisa estar naessência das empresas, como podemos ver na definição abaixo:

“Marca significa uma cultura e dinâmica de relações entre empresa/produto e a sua comunidade, que cria valor para todos os integrantes do ecossistema.”

Espero que este post tenha contribuído de alguma forma para seu conhecimento e que também, lhe proporcione atuações diferenciadas e sustentáveis no seu meio a partir de agora.

Beijos e afagos

[Fonte: ResultON, Slides e detalhes case Banco Real de Maria Camila Giannella – Thymus no ResultsON Day]